Baby drinking from bottle

O uso de cereais infantis para constituição do famoso “mingau” é amplamente difundido entre as mães. Existe uma expectativa muito grande por parte dos avós, vizinhos e até mesmo dos pais sobre em que momento a criança pode enfim tomar o mingau. Mas, afinal, é saudável usar cereais infantis?

Respondo esta pergunta, devolvendo-lhe outra. Você toma mingau todos os dias, ou substitui seu almoço por um preparado de leite com farinha enriquecida com vitaminas? Acredito que sua resposta foi não. Sendo assim, por que acredita que essa seria a melhor opção alimentar para seu filho?

Vamos esclarecer uns fatos: O uso dos chamados engrossantes (cereal infantil, amido de milho, arrozina) é uma prática muito antiga. Certamente seus avós deram a seus pais, que deram a você também. Basicamente consistia no fato de “engrossar” o leite para que a criança se alimentasse “melhor”. O mingau era facilmente aceito pelas crianças que ganhavam peso e cresciam, muitas vezes até de maneira exacerbada. Diante dessa prática tão comum, as indústrias alimentares começaram a perceber ali uma possibilidade de lucro e passaram então a fabricar cereais em forma de farinhas, enriquecidos com vitaminas, voltados exclusivamente para o público infantil. E eles acertaram em cheio. Sua comercialização foi um sucesso e a propaganda veiculada ao produto, infalível. Uma das marcas que vende esse tipo de produto afirma: “Seu filho merece o melhor.” 

Certo, nesse momento entendemos que essa prática é culturalmente aceita e difundida. Já ganhou raízes e vem jogando sementes para todos os lados. Mas, então, qual é o real problema do cereal infantil?

Bom, há aqueles que resolvem oferecer antes dos 6 meses de idade, só para “dar uma engrossada” no leite. E esse é um problema sério. Lembrem-se que antes dos seis meses de idade, a criança deve ser alimentada preferencialmente no seio materno, de maneira exclusiva. Caso o aleitamento materno não seja possível, deverão ser usadas formulas lácteas infantis, que têm sua composição tecnologicamente modificada para se assimilarem ao máximo com o leite materno. Por que? Porque o leite materno é o MELHOR alimento para seu filho antes de 6 meses. O uso de farinhas de milho, arroz, trigo, antes dos 6 meses, traz malefícios a criança, devido a composição (eletrólitos, proteínas e carboidratos) inapropriada para a digestão e metabolização renal da criança nesta fase da vida, podendo predispor a hipertensão arterial futura, diabetes, obesidade, dentre outras doenças. Então, antes dos 6 meses de jeito nenhum.

E após os 6 meses? O grande problema é que os pais acreditam que essa mistura infalível de leite com cereal é o alimento ideal para crianças a partir de 6 meses de idade, e oferecem a eles isso, o dia TODO. A criança é um ser em desenvolvimento constante, continuo e intenso. Todos os dias ela esta apta a aprender e experimentar coisas novas e, isso inclui aprender a se alimentar. Faz parte desse processo conhecer novas texturas, novos sabores e aguçar as papilas gustativas. Crianças que tomam essencialmente “mingau” deixam de vivenciar essas sensações, além de não desenvolverem adequadamente a mastigação. Qual o resultado? Elas mantém o paladar preferencial para o sabor doce do “mingau”, porque foi o único que ensinaram a ela e, têm dificuldades de aceitar outros tipos de alimentos. Além disso, alimentam-se essencialmente com um produto industrializado, onde o principal ingrediente (o primeiro da tabela nutricional da embalagem) é o carboidrato, vulgo açúcar, sem conter nenhum tipo de fibra, com isso predispondo a obesidade e constipação intestinal. 

Veja os rótulos dos principais cereais infantis comercializados atualmente:

rotulo mucilonrotulo milnutri

Então, se eu der só uma a duas vezes no dia, não tem problema? O problema fica menor, mas na prática o que ocorre frequentemente, é que devido a facilidade de obtenção do alimento e o sabor agradável, as crianças aceitam muito facilmente o “mingau”. Isso se torna um problema pois em algumas fases do seu crescimento, no processo de redução de apetite devido a redução do crescimento acelerado (que ocorre em volta dos 2 anos) os pais acabam se rendendo a substituição de uma refeição que a criança não aceitou bem, por uma bela mamadeira de “mingau”. E aí, quando a criança aprende que se ela não comer, ela vai ganhar o mingau depois, isso se torna um ciclo vicioso.

Eu sei que a avó, a vizinha, a tia vai falar, “mas eu dei isso a meus filhos e eles são saudáveis, nunca tiveram nada”. Mas, o problema não será na infância, e sim na vida adulta. O mundo evoluiu, a medicina acompanhou a evolução e hoje, sabemos que uma boa alimentação é essencial para a manutenção da saúde física e do bem estar, prevenindo doenças e aumentando a expectativa e qualidade de vida da população.

Acredite, seu filho não precisa tomar mingau. Comer frutas, tubérculos ou cereais naturais, verduras, carnes, legumes e leguminosas é a opção alimentar mais saudável e que deve ser iniciada aproximadamente a partir de 6 meses de vida.

Procure sempre orientação de um pediatra e nutricionista pediátrico durante a fase de introdução da alimentação complementar. Investir em uma boa alimentação é investir no futuro do seu filho.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *